LENDO A HISTÓRIA: A nobreza guerreira e a nobreza cortesã.

Salve, salve leitores queridos!!! Que tal darmos uma olhadinha nas transformações sofridas pela antiga nobreza feudal no auge do absolutismo? Observaremos, através de imagens, dois momentos diferentes da corte francesa, isso nos ajudará a entender a relação entre as mudanças econômicas e políticas ocorridas no final da Idade Media e a nova função assumida pela nobreza.

Vamos à primeira imagem:

Clóvis rei dos francos. François-Louis Dejuinne (1786-1844)
Clóvis rei dos francos. François-Louis Dejuinne (1786-1844)

Gente, esta é uma pintura representando Clóvis I, rei dos Francos entre 455 e 511. Esse retrato foi feito muito depois, no século XIX e não é exatamente fiel, mas nos dá uma ideia da aparência dessa nobreza feudal. Pira só nas cabelanças do nosso querido monarca retratado acima!!!

O cara era um bárbaro! Usava barbas e cabelão, e vestia-se de forma simples. Pose de guerreiro, espada à mão, e ai de quem dissesse um “isso” pra esse rei que ele não gostasse.  Essa era a nobreza guerreira e proprietária. Os nobres nesse período, vassalos do rei detinham o monopólio das armas e das terras, cada um mandava nos seus domínios e o poder dessa classe provinha diretamente de sua habilidade na guerra. Essa nobreza também é conhecida pelos seus costumes esdrúxulos; não controlavam suas ventosidades, falavam de boca cheia, não usavam talheres e comiam com as mãos. Escarravam sobre a mesa, e se necessário se aliviavam em qualquer canto como uns animais. Que horror, muito longe do príncipe encantado, não?!

Louis XIV, 1701 Hyacinthe Rigaud (1659-1743)
Louis XIV, 1701 Hyacinthe Rigaud (1659-1743)

Agora dá uma sacada nesse quadro. Quem está retratado é o famigerado, vitaminado, radiante e afetado Luis XIV, o mais absolutista de todos os monarcas. Percebemos uma espada a tira colo, mas é só símbolo do seu poder, ou vocês acham que ele enfrentaria um duelo de saltinho e perucão? A nobreza que cercava o soberano definitivamente não era formada por homens armados e violentos. Aqueles guerreiros viris que poderiam ameaçar o poder do rei foram “domesticados”. Receberam cargos, honrarias e privilégios; passaram a morar no Palácio, vestir essas roupinhas, a se portar de forma polida, e até mesmo falar uma língua própria para se distinguir dos estados inferiores.

E o que provocou essas mudanças?

Devemos buscar a resposta nas transformações políticas e econômicas iniciadas durante a Baixa Idade Média. No final do período medieval o comércio despontava como atividade mais lucrativa, fazendo com que a propriedade feudal perdesse um bocado da sua importância nessa sociedade. Além disso, na monarquia centralizada o rei monopolizou a justiça e o uso legítimo da força, e aquela antiga função social da nobreza se extinguia progressivamente. Daí, na Monarquia centralizada os nobres se acomodam em outras funções, tornam-se dependentes do rei, ocupam cargos administrativos e recebem pensões. Esta nova nobreza é conhecida como nobreza cortesã.

É quase inconcebível pensar que aqueles guerreiros viris e muito mal-educados e essa patota refinada são a mesma classe, ainda que em períodos diferentes. O vestuário torna-se requintado, feito com tecidos finos (importados e caros) cheios de bordados e babados, uma pompa só. Que luxo! Os hábitos da nobreza deixam de ser grosseiros e surgem modos específicos de se comportar nas cortes, são as conhecidas normas de etiqueta. Certas funções do corpo passam a ser rigidamente controladas em público, e não se pode mais peidar e arrotar por aí sem causar escândalo e reprovação. E esse, gente, é um processo pelo qual passam todas as aristocracias europeias. Até mesmo a família Romanov na Russia (com destaque especial para Pedro, o Grande).

Pessoal, é muito importante ter em mente que essas mudanças sociais estão entrelaçadas com a política e a economia e que tudo isso forma um processo, envolvendo a cultura e religiosidade desse povo também. Centralização política, desenvolvimento comercial e monetarização da economia tem tudo a ver com renascimento e reforma. Mas neste post é só, não iremos muito além, fica só esse flerte. Agora vamos finalizar com uma questão da UFMG em que aparecem essa transformação social da nobreza.

Um abraço e bons estudos.

 

QUESTÃO (UFMG 1994)

“Leia o texto. “Por enquanto, ainda el-rei está a preparar-se para a noite. Despiram-no os camaristas, vestiram-no com o trajo da função e do estilo, passadas as roupas de mão em mão tão reverentemente como relíquias santas, e isto se passa na presença de outros criados e pagens, este que abre o gavetão, aquele que afasta a cortina, um que levanta a luz, outro que lhe modera o brilho, dois que não se movem, dois que imitam estes, mais uns tantos que não se sabe o que fazem nem porque estão. Enfim, de tanto se esforçarem todos ficou preparado el-rei, um dos fidalgos retifica a prega final, outro ajusta o cabeção bordado.” (SARAMAGO, José. MEMORIAL DO CONVENTO.)

Nesse texto Saramago descreve o cotidiano na corte no período de consolidação do Estado Moderno. Todas as alternativas referem-se ao Absolutismo Monárquico, EXCETO:
a) A classe dominante, durante toda a época moderna, não era mais a mesma do período feudal tanto política quanto economicamente.
b) A história do Absolutismo Monárquico é a história da lenta reconversão da nobreza a um papel parasitário, o que lhe permitiu regalias.
c) A nobreza passou por profundas transformações no período monárquico de centralização, mas nunca foi desalojada do poder político.
d) O Absolutismo era um rearranjo do aparelho de dominação, destinado a sujeitar as massas camponesas, que sublevadas questionavam o papel tradicional da nobreza.
e) O Estado Absolutista era uma nova carapaça política de uma nobreza atemorizada, que passou a ocupar um lugar junto ao Rei, se tornando cortesã.

Super dica de leitura: Dom Quixote, Miguel de Cervantes.

Resposta: [A]

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s